Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
  Notícias sobre Saúde  
     
     
 

Malhar com mais peso melhora tonificação dos músculos, mostram estudos

 
     
 

Levantar peso o torna grande e forte --ou pelo menos essa é a sabedoria popular. É por isso que muitas mulheres (e agora homens) que querem ter um corpo "tonificado" optam por levantar pesos mais leves, com mais repetições.

Mas a ideia não tem respaldo científico. A produção de músculos fortes e volumosos não exige apenas pesos pesados, mas um grande consumo de calorias, geralmente muito mais que as 2.000 calorias diárias recomendadas para adultos.

No caso de pessoas que levantam peso para tonificar o corpo e emagrecer, dizem especialistas, um regime que inclua uma combinação de pesos desafiadores e menos repetições pode ajudar de forma significativa. Num estudo realizado em 2002, por exemplo, cientistas observaram o que acontecia quando mulheres realizavam vários exercícios de resistência com pesos e repetições diferentes (85% de sua capacidade máxima para oito repetições, contra 45% para 15 repetições). As participantes que levantaram mais peso, mas menos vezes, queimaram mais energia e tiveram uma aceleração metabólica maior depois do exercício.

Em outro estudo, publicado no ano passado, cientistas acompanharam 122 mulheres durante seis anos. Eles descobriram que aquelas que eram instruídas a fazer exercícios de resistência três vezes por semana --séries de oito repetições a 70-80% de sua capacidade máxima-- perderam mais peso e gordura corporal. Um estudo similar, de dois anos de duração, com mulheres que faziam treinamento de força com um peso desafiador, duas vezes por semana, descobriu efeitos similares no corpo e na gordura "intra-abdominal".

 
     
     
  ANAHAD O'CONNOR
do New York Times
 
     
  Ler mais Notícias sobre Saúde