Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
  Notícias sobre Saúde  
     
     
  Transplante de órgãos ganha novas regras; SUS passa a financiar doação de pele  
     
 

O Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou nesta quarta-feira que os cerca de 63 mil pacientes que aguardam na fila de espera de transplante de órgãos no Brasil vão ganhar, até o final deste ano, benefícios e incentivos com o novo regulamento do SNT (Sistema Nacional de Transplantes).

As principais mudanças são um reajuste dos valores pagos às equipes médicas ou hospitais por procedimentos realizados, e a incorporação do financiamento de novas técnicas para o transplante de pele.

"A partir de agora o SUS (Sistema Único de Saúde) vai financiar a retirada e o processamento de pele, que é uma ação inédita no sistema. O transplante de pele é uma modalidade de tratamento salvadora de vidas, inclusive de grandes queimados. Ela não é propriamente um transplante, é uma espécie de curativo biológico, uma casa de passagem até que a pessoa consiga se recuperar e produzir de novo a sua própria pele", afirmou à Folha Online a coordenadora do SNT, Rosana Nothen.

A especialista também disse que, atualmente, transplantes de "coberturas sintéticas" para uma pessoa que tenha sofrido uma queimadura grande são caros e custam em média R$ 20 mil aos hospitais. "Muitas pessoas sairão beneficiadas com o novo procedimento", afirmou.

Investimento

De acordo com Temporão, para a implantação das novas regras de transplantes serão investidos R$ 24,1 milhões neste ano e ano que vem. Uma das principais mudanças é que o valor pago à equipe envolvida nos procedimentos de captação dos órgãos vai dobrar.

O novo regulamento aponta que a retirada de um coração, que tinha um custo de R$ 585, passará a ter uma verba de R$ 1.170 por procedimento.

Entre as novas ações também estão a entrevista com a família do doador e a manutenção dos prováveis doadores.

"Temos dois desafios principais. Um é sensibilizar a sociedade a ser um doador potencial. O outro é ampliar a captação de órgãos e, portanto, a realização de transplantes", afirmou Temporão.

O ministro ainda afirmou que será criado até o final do ano um banco de dados informatizado, onde os pacientes poderão consultar sua posição na lista de espera e a equipe médica deverá manter os prontuários atualizados. "Assim a atualização será mais ágil", disse.

 
     
Arte/Folha Online
     
 

DIANA BRITO
colaboração para a Folha Online, no Rio

 
     
   
  Ler mais Notícias sobre Saúde