Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
  Notícias sobre Saúde  
     
     
  Novo teste de locomoção auxiliará pacientes idosos  
     
 

Uma pesquisa integrada na área de saúde vai ajudar pessoas entre 60 e 80 anos a minimizar situações neurológicas que envolvam sobrecarga motora e predisposição para a queda, tão freqüentes nessa fase da vida. "Começamos a notar um aparecimento progressivo da queixa entre os pacientes dessa faixa etária sobre seus desempenhos nas tarefas do cotidiano", afirma Mariana Callil Voos, que integra a equipe responsável por essa especialidade junto ao Ambulatório de Fisioterapia da Faculdade de Medicina da USP. "Como a tomada de decisão está relacionada à capacidade de executar ações e resolver problemas, muitos dos pacientes mostravam-se apreensivos por perceber parte de sua locomoção abalada", explica a fisioterapeuta.

A iniciativa corresponde à mais recente etapa de sua tese de doutorado Validação de um novo teste de locomoção para indivíduos idosos. O estudo vem sendo desenvolvido no Núcleo de Pesquisa em Neurociências e Comportamento (NeC) – um dos núcleos de apoio à pesquisa (NAPs) da Pró-Reitoria de Pesquisa da USP –, sob orientação do professor Luiz Eduardo Ribeiro do Valle do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e co-orientação da professora Maria Elisa Pimentel Piemonte da FMUSP, pesquisadores do NeC.

Com experiência na prática clínica na área de Fisioterapia Neurológica, a fisioterapeuta investigou mais de 40 pacientes após os 60 anos, comparando-os com jovens adultos. Em uma primeira etapa da avaliação, foram aplicados testes de memória operacional, atenção espacial seletiva coordenação motora e agilidade. Por meio da tarefa de "ligue-os-pontos", com duração variada – estipulou-se tempo livre até 300 segundos –, sendo possível identificar e padronizar o comportamento normal entre os participantes. "Essa atividade está suscetível, principalmente, à idade e também escolaridade", afirma Mariana.

Entre letras e números

O levantamento possibilitou a origem da metodologia que vem sendo aplicada nesta etapa do trabalho, por meio da tarefa de locomoção, a qual consiste no "teste de locomoção" em que a pessoa deve andar de forma independente, sem ajuda de aparelho ou apoio sobre um painel de 2 x 3 metros estendido no chão. A ferramenta, em que um caminho pode ser sinalizado pela alternância de números, letras e até dos dois juntos, levou um ano e meio para ficar pronta, incluindo projeto piloto. O trajeto foi percorrido pelos grupos – de adultos e idosos – em duas sessões diferentes. Na primeira delas, toda travessia foi cumprida oito vezes e na segunda, três.

"O caminho marcado pela alternância entre letras e números foi considerado o mais difícil de cumprir", diz Mariana. "Nesse caso, enquanto os idosos precisaram repetir quatro vezes o circuito proposto para conseguir desempenho máximo no teste, o outro grupo (jovens) em apenas duas vezes alcançou o mesmo patamar", aponta. Isso quer dizer que, embora precisem de um tempo maior de treinamento, as pessoas com 60 anos superaram a dificuldade para reter o trajeto proposto, considerando que a exigência de memória operacional foi igual para os dois grupos.

A tese de doutorado de Mariana deverá ser defendida no segundo semestre deste ano. Atualmente, a fisioterapeuta é supervisora de estágio da disciplina de Fisioterapia em Disfunções Neuro-Musculares e professora-colaboradora da disciplina de Fisioterapia Clínica II do Curso de Fisioterapia da USP, além de membro da Sociedade Brasileira de Neurociências (SBNeC).

 
     
     
 

Texto: Leandra Rajczuk

 
  Fonte: Agência USP  
  Publicado em: 12/02/2009
   
   
  Ler mais Notícias sobre Saúde