Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
  Notícias sobre Saúde  
     
     
  Livro desmitifica o câncer, discute tratamentos e chances de cura; leia capítulo  
     
 

De acordo com uma pesquisa britânica publicada pela primeira vez em 2008, o Brasil é o país em que o câncer mata mais rápido. O estudo analisou dados sobre tumores de mama, próstata, cólon e reto diagnosticados entre 1990 e 1995 em 1,9 milhão de pessoas de 31 países. Além disso, o país apresenta cerca de 15 mil casos por ano de câncer de laringe.

Em "O Câncer", da Publifolha, é possível entender e desmitificar este mal. O texto introdutório da publicação pode ser lido abaixo.

Na obra, o professor Riad Naim Younes desvenda o funcionamento da doença e revela como a desinformação contribui para a mitificação negativa e o desespero que rondam o diagnóstico.

Ganham espaço no livro as formas de tratamento, as chances de cura, os tratamentos alternativos e as perspectivas de pesquisa, além da explicação clara dos principais termos usados quando se fala da doença.

A obra faz um serviço público ao colocar a informação sobre o câncer onde deve estar: ao alcance de todos.

DESENVOLVIMENTO DO CÂNCER

A Célula Normal

O corpo é formado de vários órgãos e tecidos (pulmão, coração, estômago, pele etc.), cada qual desempenhando um papel específico e uma função fundamental. Todos os órgãos e tecidos são formados de unidades básicas, chamadas células. Essas células pertencem a uma comunidade organizada e obedecem a regras estritas, que asseguram o funcionamento adequado e o desenvolvimento harmonioso do corpo.

Podemos comparar as células do corpo humano aos tijolos básicos constituintes de um prédio ou de uma casa: cada tijolo tem que estar no seu local exato, fazendo parte integral da estrutura harmoniosa que permite que cada sala ou quarto desempenhe sua função específica. Mas, nisto bem diferentes dos tijolos, as células humanas são submetidas a uma renovação constante. Dessa forma, parte das células morre regularmente, enquanto outras nascem para substituí-las.

A renovação se efetua pela divisão de uma célula-mãe em duas células-filhas, ao longo de um processo perfeitamente definido, chamado ciclo celular. Cada ciclo celular tem duração normal variável, levando desde alguns dias até alguns meses para a célula se duplicar. No interior de cada célula (de cada tijolo da casa), existe um centro gerenciador das atividades: seu metabolismo, suas funções, inclusive as instruções de como e quando iniciar uma divisão celular. Esse centro gerenciador é o núcleo da célula, seu computador central, constituído pelo código genético - o DNA.

O ciclo celular, coordenado e controlado pelo DNA, tem como objetivo multiplicar o número de indivíduos no meio de um tecido. Ele deve, por outro lado, assegurar a integridade genética e funcional das células-filhas. A divisão da célula se efetua de forma coerente com as necessidades do tecido, do organismo e do ambiente ao redor. Vários sinais interagem para comandar a divisão e a proliferação celulares. Esses sinais podem ser de origem central, produzidos principalmente por hormônios, que permitem uma resposta coordenada no nível do organismo como um todo (por exemplo, o desenvolvimento e a proliferação das células da glândula mamária na puberdade), ou de origem local, emitidos em resposta a um evento que ocorreu próximo àquele tecido, na forma de proteínas específicas ou de fatores de crescimento, mensageiros da divisão celular.

A proliferação celular não é igual em todo o corpo: alguns tecidos necessitam de ritmo de renovação mais rápido que outros. Os tecidos da medula óssea (que produzem células do sangue, como os glóbulos vermelhos e brancos) têm ritmo de renovação acelerado, constantemente produzindo novas células para repor as mortas. Do mesmo modo, as células epiteliais de revestimento interno dos brônquios (pulmão) e do tubo digestivo se renovam rapidamente (alguns dias). Por outro lado, tecidos como os músculos, por exemplo, têm velocidade de renovação muito mais baixa (alguns meses).

Qualquer que seja o tecido em questão, a divisão celular é sempre a conseqüência do estímulo ao ciclo celular por fatores externos à própria célula. Esse ajuste fino permite ao corpo como um todo assegurar o desenvolvimento harmonioso e evitar a proliferação descontrolada de um indivíduo (célula) ou de um conjunto de células (tecido).

A Célula Cancerosa

A formação de uma célula cancerosa decorre da desregulação desses mecanismos de controle, seja por desobediência interna da célula doente aos sinais externos de freio, seja por interpretação errônea daqueles sinais. Isso leva ao aparecimento de uma célula que se prolifera de forma anárquica, adquirindo a capacidade de se implantar em tecido vizinho e se desenvolver em qualquer parte do organismo. Outra propriedade fundamental da célula cancerosa é a de dar à luz duas células-filhas, também cancerosas, transmitindo assim as alterações genéticas graves para uma multidão de células doentes.

Estudos científicos têm demonstrado que o tumor maligno deriva de uma única célula-mãe, que se divide sem parar. O câncer, portanto, deriva de anomalias genéticas adquiridas ao longo do desenvolvimento tecidual e ocasionadas por fatores cancerígenos do ambiente - químicos, físicos ou virais. São esses fatores que alteram o código genético de uma célula normal, levando o DNA a iniciar ciclos de divisão celular descontrolada, com produção contínua de novas células cancerosas; estas, por sua vez, se dividem e produzem outras, num ciclo de proliferação sem fim. Assim se formam os tumores. É como se os tijolos numa parede da sala começassem a produzir, sem parar, centenas de novos tijolos: nesse local seria facilmente visível um "monte", que iria se elevando da parede e ocupando um espaço vital da sala, alterando sua função.

Recentemente, a atenção dos cientistas tem se focalizado no estudo da oncogênese (origem do câncer), tentando desvendar os mecanismos básicos do aparecimento e desenvolvimento dos tumores. Conhecemos hoje várias alterações do DNA que levam a célula normal a perder o controle e proliferar sem parar. Duas categorias de gene (unidades do DNA, que portam o código genético) têm relação com o aparecimento das células cancerosas:

  • Os oncogenes (genes que dão origem ao câncer), que participam da iniciação da proliferação celular, induzida pelos fatores de crescimento. Esses genes, quando afetados por mutações e alterações funcionais importantes, ficam ativos mesmo na ausência de fatores exógenos reguladores da divisão celular. E a modificação de sua função tem como conseqüência, por um lado, causar uma proliferação celular anárquica e, por outro, fazer escapar a célula ao controle normal da divisão celular.
  • Os genes supressores, ou antioncogenes, que permitem à célula detectar erros de proliferação e cuja função é interromper a divisão celular anormal. Mutações (modificações) de um ou dos dois tipos de gene são necessárias para o aparecimento do câncer. Elas conduzem à perda do equilíbrio sutil entre os fatores de controle positivo e negativo da divisão celular.

Em geral, o câncer leva vários anos para se desenvolver. Ele requer múltiplos eventos genéticos independentes, antes de escapar aos complexos mecanismos atuantes que mantêm o crescimento normal de uma célula. Esse fenômeno se chama iniciação. Uma proliferação descontrolada aumenta a probabilidade de aparecimento de novas mutações (de outros oncogenes ou genes supressores de tumor), levando a célula a produzir mais tumores. As mutações podem também ser responsáveis pelas novas características da célula cancerosa:

  • disseminar-se dentro do organismo;
  • escapar ao sistema imunológico; e
  • favorecer o crescimento tumoral por formação de novos vasos sanguíneos, que trazem nutrientes indispensáveis à vida celular.

Todos esses eventos moleculares que atingem o DNA são acontecimentos raros. Por esse motivo, a maioria dos tumores aparece após os 50 anos de idade, tanto em homens quanto em mulheres, pois é preciso ter vivido tempo suficiente para que o acaso produza uma combinação de eventos específica numa célula qualquer, provocando o câncer.

 
     
     
 

da Folha Online

   
   
   
  Ler mais Notícias sobre Saúde