Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
  Notícias sobre Saúde  
     
     
  USP vai treinar hospitais públicos para usar dor como quinto sinal vital  
     
     
 

O Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), que completou 65 anos de existência neste mês, será referência no controle da dor para os demais hospitais da rede pública estadual. A proposta é formar equipes especializadas na área e adotar o modelo já em vigor no HC, que utiliza a dor como quinto sinal vital do paciente.

Os treinamentos deverão ter início no fim de abril. O projeto piloto será no Hospital Estadual Pérola Byington, referência em alta complexidade na área de saúde da mulher. Outros hospitais estaduais da capital também já manifestaram interesse, como o Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.

Todas as Enfermarias do HC contam com o trabalho da equipe de Controle da Dor, que realiza cerca de 750 atendimentos mensais a pacientes internados e outros 250 às pessoas que passam por consulta ambulatorial.

Uma das propostas da equipe do HC é mostrar que, assim como a temperatura, pressão, frequência cardíaca e respiração dos pacientes, que são medidas diversas vezes ao dia, a intensidade da dor também deve ser constantemente avaliada. Somente desta forma é possível que a equipe médica determine os remédios mais adequados para tratar a dor e evitar que o paciente sofra.

Segundo Irimar Posso, coordenador do Grupo de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do HC, a capacitação de outros hospitais no controle da dor é inédita no país. “Todos os hospitais de bom padrão europeu ou norte-americano contam com grupos de controle da dor. O tratamento adequado da dor é condição primordial para que os hospitais recebam selos de qualidade de organizações nacionais e internacionais”, afirma.

O coordenador ressalta, ainda, que evitar a dor humana não é tarefa simples, pois são muitas as causas da sensação e ela sempre será subjetiva. “Por isso, é necessário mudar a cultura de alguns médicos para que eles não duvidem da dor do paciente”, analisa, acrescentando que o segundo passo é saber quais medicamentos ou técnicas podem ser prescritas em cada caso. Analgésico, massagem e calor podem ser tão importantes como repouso, acupuntura e até carinho, dependendo do tipo de dor.

 
   
  Fonte: USP Online
  Publicado em: 23/04/2009
   
  Ler mais Notícias sobre Saúde